A Mucuna é uma das plantas mais populares e importantes da Índia. Todas as partes desta possuem valorosas propriedades medicinais e existe uma grande... Continuar lendo

Categoria Anti-parkinsoniano

Administração
Uso Oral
Controlado
-
Indicação
A Mucuna é uma das plantas mais populares e importantes da Índia. Todas as partes desta possuem valorosas propriedades medicinais e existe uma grande demanda por esta na Índia e no mercado internacional de drogas. O pó das sementes contém altas concentrações de levodopa, um precursor direto do neurotransmissor dopamina e que vem sendo utilizado na medicina Ayurvedica Indiana para várias doenças, incluindo parkinsonismo. É reconhecida pelas suas propriedades afrodisíacas. Estimula também a deposição de proteínas nos músculos e aumenta a força e a massa muscular, e o seu extrato é também conhecido por estimular o estado de alerta e melhora da coordenação.
Seu uso é indicado em casos de: Doença de Parkinson; impotência e disfunção erétil; como afrodisíaco e para aumentar testosterona; como anabólico e androgênico, fortalecendo os músculos e ajudando a estimularo hormônio do crescimento.
Posologia
Dose recomendada: 400 mg do extrato seco, 1 ou 2x/dia, ou conforme recomendação médica. * No tratamento do Mal de Parkinson a dose deve ser estabelecida em função do teor equivalente de L-dopa presente no extrato seco padronizado.
Restrições
Uso adulto
Interações Medicamentosas
Pode potencializar medicamentos androgênicos, a insulina, medicamentos anti-diabetes e potencializa medicamentos com levodopa; Vitamina B6 pode diminuir a eficácia da L-dopa; uso simultâneo com certos anestésicos (ciclopropano e halotano) pode causar arritmia cardíaca; antidepressivos tricíclicos podem diminuir a absorção da L-dopa; teoricamente, Mucuna pode diminuir a eficácia de certos antipsicóticos; L-dopa é incompatível com IMAO.
Reações Adversas
Teoricamente, espera-se que ocorram os mesmos inconvenientes da L-dopa: priapismo; problemas respiratórios; espasmos musculares; dor de cabeça; retenção urinária; mas parece que os extratos causam menos reações do que a L-dopa sintética. Geralmente são limitadas a náuseas, transtornos gastrintestinais, incluindo insônia e, às vezes, episódios de discinesia. 6
Contraindicação
Não deve ser utilizado durante a gravidez, por poder causar defeitos de nascimento e possuir atividade estimulante uterina;
Deve ser utilizado com supervisão médica em pacientes com hipoglicemia ou diabetes, por diminuir a taxa sanguínea de açúcar;
É contra-indicado seu uso em combinação com IMAO;
Deve ser evitado por pessoas com síndromes andrógenas excessivas, por possuir atividade androgênica e aumentar os níveis de testosterona;
Se o paciente tiver condição médica resultando em níveis inadequados de prolactina no corpo, não utilizar, a menos que sob orientação médica, por ser um inibidor da prolactina.
Deve ser evitado durante o aleitamento, devido à prolactina ser a responsável pela produção de leite materno;
Evitar seu uso em casos de problemas cardiovasculares (risco de hipotensão); úlcera gastroduodenal (risco de hemorragia) e câncer de pele.
Tipo de Receita
-
Sugestão de fórmula manipulada
Cápsulas

Bibliografia
Observações
Foto de Leticia Saifert Picoli
Leticia Saifert Picoli
CRF: 21337
Farmacêutica, e Mestranda em Ciências Farmacêuticas - CRF/PR: 21337. Atuou como consultora na Manipulaê para monitorar e revisar a criação de conteúdo técnico. Farmacêutica Industrial, especialista em Farmacologia Clínica, MBA em Gestão Estratégia Farmacêutica pela FIA. Atuante nas áreas de Gestão de Produto, Marketing Institucional e Novos Negócios.